“THE FLIGHT OF DRAGONS” (“THE FLIGHT OF DRAGONS”) Jules Bass, Arthur Rankin Jr. (1982) EUA

Não se nota de todo pelas imagens e muito menos pela qualidade artística ou técnica da animação nesta produção mas [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] merece realmente estar presente no Top dos melhores filmes de Fantasia criados até hoje.
Apesar deste cartaz ter enganado toda a gente décadas atrás.

cover

Se alguma vez se perguntaram por onde terá andado Darth Vader entre “The Empire Strikes Back” e “Return of Jedi”, ele andou por [“THE FLIGHT OF DRAGONS”].
Quer isto dizer que, James Earl Jones mais uma vez empresta a voz a um vilão e curiosamente consegue fazê-lo sem que nos lembremos de Darth Vader a todo o instante, o que não deixa de ser um ponto positivo logo à partida.

flight-of-dragons_18 flight-of-dragons_44

[“THE FLIGHT OF DRAGONS”] é uma produção televisiva criada em 1982 pelos estúdios Rankin & Bass e por causa disso mesmo há uma razão para que todos os posters e capas de edições VHS e Dvd deste título tivessem utilizado um desenho que não tem nada a ver com o estilo de arte representada no filme.
Ainda hoje Rankin & Bass é conhecido como o estúdio de animação com as produções comerciais mais feias do todos os tempos !!

flight-of-dragons_28 flight-of-dragons_51

Tivessem usado o verdadeiro estilo de ilustração que está no filme para a tentarem promover e aposto que hoje em dia este não seria o clássico esquecido que se tornou , muito graças ao mercado VHS e à enorme popularidade que a sua primeira edição em cassete video obteve.
E se isso aconteceu foi certamente porque toda a gente foi enganada pelas cores bonitas e ilustração vibrante com um estilo profissional com que a nova capa foi ilustrada (que vêem no início deste texto ). O mesmo estilo que deveria estar no filme e não está.

flight-of-dragons_24 flight-of-dragons_40

O cartaz novo foi encomendado expressamente pela Warner Bros quando estava para distribuir [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] pois felizmente houve por lá um executivo que se apercebeu que alguém tinha que fazer alguma coisa pois tudo o que estava neste desenho animado era por demais feio e foleiro em termos visuais.

flight-of-dragons_47 flight-of-dragons_02

Como alguém já disse num outro artigo, foi uma das melhores decisões que algum executivo de estúdio terá tomado pois graças ao visual apelativo do novo poster, [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] teve o destaque que mereceu apesar de técnicamente continuar a ser um produto absolutamente execrável quando comparado com o que já se fazia de boa animação na altura.
Verdade seja dita que [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] merece ter tido o sucesso e a vida em VHS que teve. Se conseguirmos olhar para lá do visual verdadeiramente rasca e da péssima qualidade de todo o trabalho de ilustração que já era típico em tudo o que os mesmos autores sempre faziam, [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] é um verdadeiro triunfo enquanto história de fantasia animada.

flight-of-dragons_48 flight-of-dragons_53

[“THE FLIGHT OF DRAGONS”] é baseado num popular livro juvenil da autoria de Peter Dickinson ( personagem na própria história do filme ) onde este aborda todas as suas teorias que ele próprio considerava como provas a propósito da real existência de dragões algures no nosso passado remoto.
Contrariamente ao filme que é essencialmente uma aventura , parece que o livro é uma espécie de “livro científico” em que o autor demonstra cada uma das suas teorias a propósito da forma como um verdadeiro dragão poderia existir e ter um funcionamento biológico credível. E parece que segundo muita gente o autor se levava bastante a sério; apenas o livro estava disfarçado de história infantil para não levantar polémica; tendo sido inclusivamente ilustrado como tal.
Está entre os livros de Fantasia clássicos que me faltam ler, pois actualmente é mesmo muito difícil conseguirmos encontrá-lo á venda a preços decentes.

flight-of-dragons_53b flight-of-dragons_46

[“THE FLIGHT OF DRAGONS”] apesar da sua origem televisiva ultra rasca, continua no entanto a ser um excelente título dentro do género e a justificar por completo a sua popularidade de filme de culto dentro da animação.
Tem a particularidade de ser um daqueles filmes, que se alguém viu na altura do VHS, nunca esqueceu.
Como toda a gente refere sempre em vários artigos espalhados pela net, gostando-se ou não do produto final, a verdade é que esta aventura foi produzida numa época em que o cinema infantil não era ainda totalmente debiloide e está aqui talvez a sua grande mais valia.
[“THE FLIGHT OF DRAGONS”] é uma história inteligente, cheia de atmosfera e muito bem contada.

flight-of-dragons_43 flight-of-dragons_39

Mais do que [“THE FLIGHT OF DRAGONS”]  ser algo no estilo Pokemon em que – o meu dragão é melhor que o teu-, este conta uma história bastante intricada e não se esquiva de abordar temáticas adultas que fazem com que esta fantasia televisiva tenha sido tão apreciada ao longo dos anos por públicos de todas as idades.
E está visto que os putos antigamente seriam sem dúvida muito mais maturos do que os actuais, cujo o short-attention-span jamais lhes permitirá olhar sequer dois minutos para isto sem se aborrecerem de morte.

flight-of-dragons_37 flight-of-dragons_20

No entanto, aqueles que ainda conseguirem apreciar a magia desta história irão gostar porque haverá sempre excepções felizmente. E este filme merece ainda ser verdadeiramente apreciado.
As crianças irão gostar de ver as aventuras com os dragões mas o verdadeiro coração deste filme está na forma como aborda inclusivamente questões filosóficas interessantes.
A ideia de que a racionalidade foi aquilo que destruiu por completo a verdadeira magia por exemplo está muito bem integrada num argumento que narra uma típica aventura quase em estilo Dungeons & Dragons embora se note claramente que [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] estará fortemente inspirado no universo de Tolkien acima de tudo. Extraordinariamente não o imita; apenas tudo se passa num mundo que poderia muito bem fazer parte da Terra Média.

flight-of-dragons_49 flight-of-dragons_22

Quem gosta de dragões vai adorar este filme. Quem não gosta passará a gostar e sairá deste título com a estranha sensação de que se calhar eles poderão ter mesmo existido.
Isto porque [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] para lá da aventura de fantasia central, é uma verdadeira enciclopédia sobre como funcionaria um dragão; bem antes de filmes como “How to train your dragon” tudo o que vocês sempre quiseram saber sobre dragões está neste filme cheio de ideias originais e muito criativas em termos conceptuais.
Segundo consta, o filme adapta bastante bem algum desse tipo de conteúdo mais “didático” encontrado no livro original.

flight-of-dragons_31 flight-of-dragons_19

E pelo que me apercebi há pouco, o estilo visual horroroso do filme também pareceu tentar ser esteticamente fiel ao grafismo das ilustrações originais presentes na primeira edição clássica do livro.
Por exemplo Gorbash o dragão herói tem quase o mesmo visual.
Agora em vez disso resultar parece que os criadores deste filme meteram-a-pata(de dragão) -na-poça e saiu-lhes mesmo o tiro-pela-culatra em termos estéticos isto porque [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] em vez de se assemelhar visualmente com o livro acabou no entanto por se parecer mais com aquele “restauro” que a famosa senhora espanhola há um par de anos decidiu fazer de uma pintura de arte sacra que correu o mundo como piada.

flight-of-dragons_25 flight-of-dragons_03

É este o nível visual de [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] quando comparado com a estética artística do trabalho de ilustração original. Ou com qualquer outro trabalho profissional para um produto de animação, diga-se de passagem… Visualmente o filme é mesmo muito, muito pobrezinho, cheio de imagens deprimentes e com jogos de cor absolutamente de mau gosto que não resultam.
Mas isto sempre foi problemático nas produções Rankin & Bass.
Já a adaptação que eles fizeram em desenho animado de “THE HOBBIT” ( bem mais fiel que a de Peter Jackson ) é capaz de ter os personagens mais asquerosos jamais ilustrados para um trabalho profissional. O character design do “Hobbit” nesse filme é simplesmente inacreditável de tão feio que Bilbo Baggins é nesse desenho animado ( para nem falar de tudo o resto que ainda é pior ) e não contentes com o resultado parece que [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] foi ilustrado para televisão pelos mesmos artistas…
Técnicamente pode nem haver nada de errado no tipo de desenho, apenas este é feio como o raio, como cores tristes e um nível de detalhe atroz ao nível do pior que já se fez na animação televisiva.

flight-of-dragons_38 flight-of-dragons_08

Parece que estou sempre a-bater-no-ceguinho com isto, mas se vocês investigarem, hão de notar que a opinião é bastante generalizada; quase um verdadeiro mistério estético do mundo da animação.
É ainda hoje quase um verdadeiro milagre pensarmos que os estúdios Rankin & Bass construíram uma carreira nos anos 70 com visuais tão atrozes. Excesso de LSD talvez.
Piores só mesmo tipo de estética em versão “mais artística” criada no mesmo período por Ralph Bashki com o seu clássico da animação-repulsiva, “The Lord of the Rings” que curiosamente foi terminado depois nem de propósito pelos estúdios Rankin & Bass no sentido em que foram estes que concluíram a horrorosa adaptação de Tolkien iniciada por Bashi quando construiram um “Return of the King” animado; ( outra pérola do mau gosto estético e animação ultra rasca embora melhor que o “The Lord of the Rings” de Bashki diga-se de passagem.) Bashki tinha ficado a meio do “The Two Towers”  pois foi despedido pelos produtores quando eles viram o nojo visualmente “artístico” que este estava a produzir; (  o que por si só é uma história que ficará para ser contada noutra altura ))

flight-of-dragons_01 flight-of-dragons_32

A verdade é que [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] exceptuando um pequeno grupo de imagens que se contam pelos dedos, é um filme feio como o raio. Os personagens são feios, os designs são uma desgraça estética, as cores são mortas, deprimentes e sem vida, os cenários são tristes, baços e sem cor, tudo parece passar-se no pior, mais feio e limitado mundo animado que possam imaginar. Nada de novo para quem conhecer as produções Rankin & Bass portanto…

flight-of-dragons_41 flight-of-dragons_45

No entanto, apesar de ser um filme visualmente deprimente e totalmente desprovido de qualquer vida ou genuíno apelo gráfico, apesar da qualidade da animação ainda tornar tudo pior com o seu estilo ultra-low-budget de produção televisiva para criancinhas nada exigentes, a verdade é que [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] consegue sair de tudo isso em grande.
[“THE FLIGHT OF DRAGONS”] tem uma imensa magia…
E nem se percebe bem como, pois até grande parte da banda sonora é pirosa a um nível insuportável por vezes em certas canções.

flight-of-dragons_15 flight-of-dragons_26

Pirosa no sentido em que tem uma certa aura Hippie dentro dos piores tiques sopeiros da musica flower-power de Joan Baez e chega-nos a derreter o cérebro com tanta paz e amor constantemente soando aos nossos ouvidos nas piores alturas da aventura que não precisava mesmo desse acompanhamento “musical” para ter resultado.
Por outro lado… isto agora vai parecer contraditório, mas também a banda sonora tem uma grande responsabilidade no facto [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] se ter tornado inesquecível para todos aqueles que o viram na altura… sabe-se lá porquê…
A verdade é que a introdução do filme tem uma imensa magia e muito se deve à canção que nos transporta imediatamente para o universo de fantasia certo para este tipo de história.

flight-of-dragons_50 flight-of-dragons_52

A canção inicial foi interpretada por Don McLean que muitos conhecerão do clássico American Pie, ( não o filme; a música dos anos 70 ) e fica realmente no ouvido apesar de nem ser particularmente comercial e chegar até a ser dissonante.
No entanto há que admitir que se [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] entra logo por um genérico excelente onde tudo tem uma enorme aura de conto de fadas mesmo apesar do visual péssimo e animação atroz muito se deve à atmosfera que a música e a canção conseguem transmitir logo nesses instantes iniciais.
De resto , quando o filme não mete canções pirosas a partitura orquestral mais uma vez até é bem adequada e não deixa de ser bonita em muitos instantes.

flight-of-dragons_35 flight-of-dragons_14

A banda sonora de [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] é procurada à décadas por toda a gente, mas nunca foi sequer lançada em CD. Existiram umas cassetes bootleg na altura da enorme popularidade do filme em VHS mas nunca foram produzidas boas versões comerciais de qualquer trilha sonora.

flight-of-dragons_42 flight-of-dragons_54

[“THE FLIGHT OF DRAGONS”] acerta em cheio em várias coisas.
A história é incrivelmente detalhada para um produto que supostamente seria apenas infantil ( os putos actuais irão achá-lo chato, confuso e sem interesse pois não tem porrada e não se parece com um videogame ); apesar do visual péssimo o filme tem um ambiente fantástico que nos transporta mesmo para um outro mundo e tem excelentes interpretações no voice acting com um óptimo elenco.

flight-of-dragons_30 flight-of-dragons_09b

Para além de “Darth” James Earl “Vader” Jones , [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] conta ainda com o sempre excelente e já falecido JOHN “SKIN DEEP” RITTER na voz do protagonista e que aqui tem uma actuação absolutamente carismática.
Aliás todo o elenco faz um trabalho fantástico.
Se o filme conseguiu apesar de tudo ter a vida que tem, muito pode agradecer aos actores pois todos dão imensa personalidade a cada um dos personagens como se estivessem a trabalhar para uma grande super-produção da Pixar e não apenas para um cartoon televisivo rasca da Rankin & Bass para as manhãs de sábado.
Se há uma boa razão para espreitarem este filme, o voice-acting é talvez a principal.

flight-of-dragons_05 flight-of-dragons_13

Por outro lado, em termos de realização até nem está mal. Tem um bom ritmo narrativo, contorna todas as limitações técnicas e o total mau gosto estético mantendo sempre a história muito interessante e portanto se vocês gostarem mesmo muito de filmes de Fantasia, irão gostar de acompanhar [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] sem qualquer sombra de dúvida.
É um filme sobre dragões e nesse aspecto vale mesmo muito a pena, pois os dois dragões principais são muito cativantes.

flight-of-dragons_10b flight-of-dragons_07

Apesar de todos os contras; contra tudo e contra todos , sabe-se lá como, [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] acaba por ser um grande filme de fantasia se conseguirmos ignorar quase tudo o que tem de mau e é por isso um daqueles que fica cada vez melhor à medida que regressamos a ele. E se gostam de Fantasia irão gostar de voltar a vê-lo de vez em quando.
Até porque o que tem de bom, já é raro encontrarmos hoje em dia no cinema de fantasia.

—————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO

Se calhar a magia afinal existe mesmo. Só isso explica que [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] seja com todo o mérito um “clássico esquecido” dentro do cinema de Fantasia.
Tem pilhas de coisas contra,  mas pelo meio de tudo isto há por aqui uma magia que sobressai ainda hoje. 
A história é daquelas que gostaríamos que ainda existisse no moderno cinema para crianças, as interpretações são excelentes e apesar de tudo tem realmente uma atmosfera de fantasia bastante original.

Cinco Planetas Saturno



    

Só não leva um Gold Award porque infelizmente é uma produção do estúdio Rankin & Bass e desenhos animados mais feios e visualmente desinspirados nunca ouve ou voltará a haver.
Se viram [“THE FLIGHT OF DRAGONS”] quando eram pequenos numa velha cassete VHS fiquem a saber que continua a ter a mesma magia e não envelheceu nada. Talvez porque visualmente não poderia parecer pior do que sempre pareceu e por isso este pormenor também terá jogado a seu favor durante todos estes anos.

flight-of-dragons_10 flight-of-dragons_06

A favor: o elenco, a história, a atmosfera de fantasia, a canção do genérico, a banda sonora orquestral.

Contra: a estética horrível, a animação rasca, as musicas pirosas ao pior estilo Joan Baez, um dos desenhos animados com as cores mais feias de que há memória.

—————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

TRAILER
Modernizado, na falta do original ( a música não é a do filme ).

COMPRAR O DVD – REGIÃO 2 – EDIÇÃO UK

cover
https://www.amazon.co.uk/gp/product/B007NW10SE/ref=as_li_tl?ie=UTF8&camp=1634&creative=6738&creativeASIN=B007NW10SE&linkCode=as2&tag=cinaosolnas-21

IMDb

http://www.imdb.com/title/tt0083951/

——————————————————————————————————

Filmes “semelhantes” de que poderá gostar:

capinha_neverending1 capinha_ladyhawke capinha_i-paladini capinha_vikingdom capinha_mythica capinha_starchaser

—————————————————————————————————

 

“AREA 51” (“AREA 51”) Oren Peli (2015) EUA

“The government should deny this films existence…”

A frase acima que encontrei numa outra crítica online, é essencialmente a review perfeita para [“AREA 51”] porque realmente… não há grande razão para recomendar este título…
É de longe o pior filme sobre conspirações e aliens-grey que me passou pela frente nos últimos tempos. Este não vou comprar de certeza, nem que o bluray esteja a menos de 2 libras.

area-51_02

Quando me surgem pela frente found-footage-movies como [“AREA 51”] é que eu vejo como outros títulos do género que já estão disponíveis no mercado são realmente extraordinários.
Num género que à primeira vista parecia-me ser realmente todo igual, estou cada vez mais convencido de que se calhar as – “iludências aparudem” – e haverá found-footage que serão mais iguais do que os outros…

area-51_07 area-51_13

Apesar de nos parecerem idênticos a um primeiro olhar, quando comparamos [“AREA 51”] com “ALIEN ABDUCTION” por exemplo, é que nos apercebemos o quanto são filmes afinal realmente diferentes.
Tudo o que “ALIEN ABDUCTION” faz extraordinariamente bem é o que faz de [“AREA 51”] um filme tão desinteressante. Não por ser verdadeiramente mau, mas porque este agora simplesmente não provoca grande reacção no espectador.
 E quando nem consegue agradar a alguém como eu que adora e conhece bem o tema a fundo, estamos mal.

area-51_34 area-51_37

[“AREA 51”] é precisamente o oposto de “ALIEN ABDUCTION”, “THE DYATLOV PASS INCIDENT”, “UFO ABDUCTION” ou até mesmo “OPERATION AVALANCHE” de que já falei por aqui no blog. No entanto se virmos os trailers de cada um destes filmes, todos eles nos parecerão mais do mesmo.
Então no que diferem ?
Bem, cada um daqueles outros títulos difere de [“AREA 51”] em praticamente tudo. Começando logo pelos personagens.

area-51_18 area-51_05

Na minha opinião e voltando aquilo que já referi em “ALIEN ABDUCTION”, um found-footage-movie depende acima de tudo dos actores para funcionar.
E os actores por sua vez dependem de ter personagens realmente bem escritos ou interessantes para que lhes possam dar vida da forma coerente e realística ao nível que um filme deste género precisa para criar realmente tensão e meter medo.
Quanto mais vejo este sub-género de cinema, mais me convenço que afinal não basta mesmo criar-se um filme em que se grita muito e se abana a câmera intensamente para que este pareça credível.

area-51_14 area-51_06

[“AREA 51”] é apenas isso, um filme em que se grita muito e se abana a câmera intensamente na maior parte das vezes porque não há mais nada para fazer.
Consta que isto teve um orçamento de 5 milhões de dólares… Bem, isso foi quanto custou o Star Wars original lá pelos anos 70 curiosamente…
Será que com 5 milhões de dólares não se fazia coisa melhor que isto ?…
É que bons exemplos disso não faltam.

area-51_32 area-51_09

[“AREA 51”] começa logo mal. Os personagens são uns grunhos idiotas que não criam qualquer empatia com o espectador. Não passam de um bando de “universitários” americanos que estariam melhor num filme sobre a “Spring Break” do que num título sobre Ovnis.
 Se a ideia foi criar uma aventura ao redor de tipos normais, a forma como representa o “normal” jovem americano é por demais rasca a um nível chunga oleoso e totalmente estereotipado por Hollywood.
Ainda por cima neste argumento nada difere um personagem do outro em termos de personalidade ou identidade.
São todos dudes, apenas um é loiro, outro moreno outro é preto porque, claro que sim e em [“AREA 51”] temos apenas um bando de teenagers crescidos sem grande cérebro que mais parecem saídos de um filme de “A RESSACA” do que outra coisa qualquer.
Como tal não despertam qualquer interesse ou empatia.

area-51_17 area-51_20

Ainda por cima tendo em conta que isto é uma história sobre a mitologia Ovni estes tipos parecem desconhecer por completo tudo o que de realmente interessante a envolve como se o argumento tivesse sido mesmo escrito por alguém que decidiu criar uma história ovniologica recorrendo apenas aquilo que se diz nas noticias e nos documentários mainstream e não tivesse qualquer real conhecimento do meio que pretende retratar.
Todo o filme está carregado de clichés completamente artificiais e forçados, como se isto tivesse sido realmente criado por alguém que não faz ideia do potencial do tema que retrata.

area-51_24 area-51_28

Salva-se o personagem da rapariga. Neste vazio absoluto, é a única pessoa com alguma personalidade e um propósito bem encaixado no objectivo dos heróis do filme.
Além disso é a única que parece ter realmente alguma inteligência no meio de tanto grunho machista americanoide imbecil.
Resumindo, [“AREA 51”] é uma nulidade em termos de personagens. 
Como tal, enquanto found-footage perde logo imensos pontos desde o início pois pouco nos importamos com eles; e quando isso acontece, depois tentarem construir uma história de suspense minimamente interessante à volta de gente tão desinteressante seria quase um milagre se tivesse resultado.

area-51_22 area-51_03

[“AREA 51”] chega a ser mesmo um verdadeiro manual de como não se deve filmar este tipo de cinema.
Comete logo também um dos piores erros que infestam muitos destes títulos, ou seja praticamente todo o filme é um vazio onde muito pouca coisa interessante acontece e onde os personagens dialogam muito sobre nada.  Ás vezes repetindo “informação” sobre esse mesmo -nada- em cenas sucessivas quando parece não haver verdadeiramente mais nada que justifique precisarem de falar uns com os outros.
Além disso não acontece muito até aos últimos quinze minutos.
Enquanto filmes como “ALIEN ABDUCTION”, “THE DYATLOV PASS INCIDENT”, “UFO ABDUCTION” usam o tempo morto para criar uma atmosfera de medo e insegurança, [“AREA 51”] mostra-nos pessoas de um lado para o outro perseguindo os clichés mediáticos mais desinspirados que existem sobre o tema Ovni durante mais de 75% da sua duração.

area-51_04 area-51_30

Depois quando penetram na própria ÁREA 51 e o filme parece que vai finalmente começar a meter ambiente ou a assustar-nos, este transforma-se em intermináveis cenas em que os protagonistas percorrem corredores atrás de corredores sem acontecer grande coisa.
É certo que a ideia seria mesmo mostrar-nos o interior da base secreta e de certa forma a recriação da área está muito realística e extremamente credível ( tendo em conta as imagens que se conhecem do local ) mas o facto é que o filme pouco utiliza isso para criar qualquer tipo de tensão para lá do que já esperariamos encontrar. Não há aqui uma única coisa inesperada.

area-51_26 area-51_39

Quando começam a descobrir finalmente os segredos da ÁREA 51, estes continuam pelo cliché a dentro sem nos provocar grandes surpresas. Com a agravante de que se vocês virem o trailer antes, terão visto logo todas as surpresas que existem no filme em termos de enigmas alienígenas que os nossos heróis encontram depois.
Não sobra absolutamente nada de [“AREA 51”] para vocês descobrirem se virem o trailer antes de verem o filme.
O trailer é essencialmente uma curta metragem que em menos de dois minutos resume por completo tudo o que depois poderão ver em 85 minutos.

area-51_10 area-51_23

Exceptuando talvez a parte em que exploram o interior de um Ovni e que tem a sua piada, pois anda bem perto do que se conhece dentro da própria mitologia do fenómeno e das teorias à volta do que foi revelado por Bob Lazar ( procurem no google ), mas mais uma vez quando parece que a coisa iria começar a ficar interessante, fica-se por aí e continua a banalidade.

area-51_27 area-51_25

O que afunda [“AREA 51”] por completo de vez é que nem sequer expande o que mostra no trailer. Não faz qualquer esforço para tentar explicar a lógica dos enigmas que são descobertos no filme e deixa tudo em aberto. Talvez a ideia tenha sido manter uma atmosfera verdadeiramente enigmática sobre tudo o que envolvesse aliens, mas para isso não tinham colocado toda a premissa da história na ideia de que [“AREA 51”] seria um filme sobre revelação de segredos.
Toda a parte em que os heróis encontram os segredos militares relativos a alienígenas no filme, não passa apenas de uma espécie de montra de mistérios. Um top 5 das conjecturas mais populares.

area-51_19 area-51_11

Depois como precisava de meter medo, entra pela habitual ideia de que os alien-grey são uma espécie de aliens ultra agressivos que mastigam pessoas ao pequeno almoço quando são libertados.
 Fica-se com a ideia e que a AREA 51 será uma espécie prisão Guantanamo para extraterrestres grey.
E mais uma vez, é aqui nestas cenas que se vê o quanto “ALIEN ABDUCTION” é um filme extraordinário quando comparado com [“AREA 51”] .
Cinco minutos de “ALIEN ABDUCTION” dentro de uma floresta escura, metem mais medo que todo o segmento final de [“AREA 51”] passado na base ao redor dos alienígenas que são agressivos porque sim.

area-51_08 area-51_31

Para completar a banalidade [“AREA 51”] é mais um daqueles found-footage em que se nota claramente que os criadores deste filme não faziam a mínima ideia de como terminar a história e como tal, toca a atirar com uma estética abstracta que rodeia os protagonistas como se isso fosse suficiente para distrair o espectador e nós não notássemos o vazio de ideias que rodeia tudo aquilo.
Até nisto [“AREA 51”] “acerta”, pois se há marca que define um mau filme de found-footage é precisamente tudo o que são filmes do género bem fraquinhos acabarem da mesma maneira.
Só porque sim.

—————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO

[“AREA 51”] é o exemplo perfeito do porquê o estilo found-footage ainda permanecer algo menor quando se calhar até já existem títulos excelentes que poderiam demonstrar o contrário.

area-51_12 area-51_16

Tudo o que torna um found-footage num filme vazio é plenamente demonstrado em [“AREA 51”] e não deixa de ser algo surpreendente, pois o realizador disto é o criador do primeiro “PARANORMAL ACTIVITY” que quanto a mim foi um dos melhores e mais assustadores filmes do género quando saiu. 
Aqui espalhou-se por completo.

Dois Planetas Saturno

 

Não assusta, não cativa e parece ter sido escrito sem grande conhecimento profundo sobre o tema que pretende retratar pois tudo mais parece saído das ideias imbecis sobre a temática que passam nos telejornais mainstream do que algo realmente escrito em função do que há realmente de interessante sobre o assunto para descobrir.
Não é um mau filme. É apenas desinteressante e se calhar com um tema destes, ser desinteressante ainda é pior.

A favor: recria bem o que se conjectura sobre o ambiente da AREA-51, a cena no interior do ovni é boa, a personagem feminina salva o filme da total mediocridade em termos de personagens gerais.

Contra: os personagens são um vazio e umas bestas grunhas que não geram qualquer empatia com o espectador, o argumento mais parece baseado no que se ouve pelo mainstream do que no real conhecimento do tema, as cenas de suspense não são particularmente eficazes tirando um ponto ou dois, não assusta minimamente, tudo o que são revelações está no trailer, o final á força de tentar ser abstractamente alienígena é simplesmente um vazio com uma enorme falta de originalidade, não tenta desenvolver nenhum dos temas que aborda, os personagens passam o tempo todo a passear por corredores ou a falarem uns com os outros sobre nada de relevante, nota-se que o final é assim apenas porque o filme tinha que acabar e pronto. A história é péssima pelas pontas soltas que deixa completamente em aberto e como tal a imaginação que poderia ter tido não existe pura e simplesmente. Como ficção científica é um vazio absoluto, como filme de terror nem existe sequer e como found-footage é o típico exemplo do porquê o género continuar com tão má reputação mesmo quando já existem títulos extraordinários semelhantes em estilo mas mil vezes superiores a coisas como esta.

—————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

TRAILER *SPOILERS*
ATENÇÃO: O FILME ESTÁ TODO (!) NESTE TRAILER.

IMDb
http://www.imdb.com/title/tt1519461/

——————————————————————————————————

Se gostou deste, vai gostar de:

capinha_operation-avalanche capinha_area-q capinha_dyatlov capinha_alien-abduction capinha_extraterrestrial capinha_4th-kind capinha_alien-abduction

—————————————————————————————————

 

“CITY OF EMBER” (CITY OF EMBER”) Gil Kenan (2008) EUA / IRLANDA

[“CITY OF EMBER”] é um daqueles filmes que por um pouco não se tornou num clássico do cinema Juvenil. 
Muito provavelmente, saiu um par de décadas atrasado pois se tivesse sido lançado nos anos 80 nos primórdios do moderno cinema de Fantasia muito provavelmente hoje seria um daqueles títulos muito conceituados por tentar fazer tudo bem e acima de tudo esforçar-se por construir um universo visual realmente único.

city-of-ember_01

Infelizmente [“CITY OF EMBER”] falhou de certa forma, talvez por ter saído já depois do ano 2000. Numa altura em que as audiências procuram uma maior sofisticação porventura técnica dentro deste género de cinema, o resultado terá ficado realmente um bocado aquem das expectativas.
Há por aqui um grande filme de fantasia a querer despontar a todo o instante mas depois ao mesmo tempo parecem existir uma boa quantidade de razões para que não tenha conseguido ir mais longe.

city-of-ember_05 city-of-ember_52

Visualmente na sua maior parte [“CITY OF EMBER”] é um assombro.
Apesar dos enormes cenários parecerem a todo o instante bastante artificiais ( e “falsos” ) , a verdade é que o set design deste filme é mesmo muito criativo envolto numa estética que ainda não tínhamos visto num mundo de fantasia dentro do cinema em inglês, com excepção talvez do que Terry Gillian costuma filmar; embora em  [“CITY OF EMBER”] seja um universo essencialmente juvenil.

city-of-ember_26 city-of-ember_37

Visualmente [“CITY OF EMBER”] faz lembrar a todo o instante o cinema de Jean Pierre Jeunet; principalmente “LA CITÉE DES ENFANTS PERDUS / CITY OF THE LOST CHILDREN”, com um toque de “AMÉLIE” algures por ali e todos os tiques de design que normalmente estamos acostumados a ver no cinema desse realizador francês; ( que nos Estados Unidos foi o realizador de “ALIEN RESSURECTION” ).
No entanto , apesar dessa influência, [“CITY OF EMBER”] tem na verdade também bastante identidade própria.
Foi como se os designers deste mundo, tivessem partido de um estilo Jeunet para depois ir talvez um bocadinho mais além em termos de textura e pormenor dando largas à imaginação.
Em termos de set práctico real é verdadeiramente admirável e na altura foi o maior cenário construído na europa para um filme deste género ; ( desta vez construído na Irlanda ).

city-of-ember_08 city-of-ember_39

[“CITY OF EMBER”] tem por isso ambientes visuais com montes de atmosfera e que mesmo sendo bastante artificiais, conseguiram realmente colocar no ecran um mundo que ainda não tínhamos visitado.
O filme passa-se numa cidade isolada algures debaixo da superfície terrestre, 200 anos depois de um qualquer cataclismo ter obrigado uma parcela da humanidade a fugir para debaixo da terra.
Acontece que a ligação com o exterior acabou por se perder ao longo de várias gerações e portanto toda a população da cidade que agora se encontra completamente alheia à sua origem acabou por desenvolver uma cultura própria; ao mesmo tempo que enfrenta o facto de toda a sua tecnologia ter envelhecido a um ponto que ameaça a própria existência daquele mundo de origem mecânica que indica estar prestes a desligar-se para sempre.

city-of-ember_07 city-of-ember_23

É este tipo de ambiente que [“CITY OF EMBER”] capta muito bem. Tudo naquele mundo está muito bem detalhado, tem um aspecto usado onde tudo está gasto e enferrujado ao melhor estilo steampunk e reflecte cada bocadinho dos vários estratos daquela sociedade.
Essencialmente é neste contexto que dois jovens habitantes descobrem um dia que se calhar existirá algo mais para lá dos muros do seu mundo artificialmente iluminado e contra os desejos do corrupto Mayor local decidem ver o que estará para lá das fronteiras proìbidas.

city-of-ember_35 city-of-ember_50

A ideia não é nova dentro da ficção-científica e toda a gente adivinha logo como será o final , mas desta vez toda a história está contada de um ponto de vista adolescente que funciona muito bem graças aos dois fantásticos protagonistas desta aventura que têm uma química perfeita e funcionam impecávelmente junto dos veteranos como Tim Robins, Bill Murray e principalmente Martin “Koenig” Landau , aqui num personagem pitoresco mesmo à sua medida.

city-of-ember_28 city-of-ember_18

Não há muito para dizer sobre o filme; essencialmente é um “THX-111-” para jovens, com uma história idêntica e um final practicamente igual. Se conhecem bem esse clássico de George Lucas pré-Star Wars não encontrarão surpresas nenhumas em [“CITY OF EMBER”].
Tudo é bem simples. Para lá dos sets impressionantes e das excelentes interpretações do jovem par não esperem muito mais.
A banda sonora é no entanto também outro dos pontos altos neste filme pois consegue transmitir um ambiente épico fantástico que se calhar nem está de acordo com este tipo de história nem nada. Por outro lado a música neste filme é bastante entusiasmante nos momentos certos criando um bom espírito de aventura ao longo de toda a história.

city-of-ember_19 city-of-ember_14

Óptima fotografia, bons efeitos especiais e também alguns digitais muito interessantes complementam perfeitamente tudo o que [“CITY OF EMBER”] precisa de mostrar no ècran para nos contar uma história que é sempre muito agradável e divertida de acompanhar.
Por vezes sente-se que poderia ter ido mais longe, por estar cheio de pequenos pormenores que não servem para nada como por exemplo as traças fofinhas gigantes ou os robots em estilo aspirador que decoram aquele mundo interior.
O filme não consegue mesmo evitar aquela sensação de vazio. Sentimos sempre que isto poderia ter sido diferente.

city-of-ember_44 city-of-ember_16

Consta que [“CITY OF EMBER”] é uma péssima adaptação de um livro original e que será mais um daqueles romances de fantasia no estilo Harry Potter ou Narnia escrito há alguns anos e que, apesar de eu nunca ter ouvido falar nele até sair o filme, parece ter tido sucesso suficiente para ter sido produzido para o cinema.
Há quem diga que o filme simplificou demasiado, deitou muita coisa fora que seria realmente importante e principalmente mudou o final tornando-o bastante mais básico. Não me custa muito acreditar nisto.

city-of-ember_45 city-of-ember_42

[“CITY OF EMBER”] tem no entanto qualquer coisa de especial que apesar da sua simplicidade em termos de argumento nos cola por completo ao ecran quase até ao final.
Só mesmo o desenlace da história deita realmente tudo a perder e neste aspecto, mesmo não conhecendo o livro, concordo totalmente com quem diz que é uma verdadeira decepção.
Não porque seja mau em termos de história mas porque não nos deslumbra minimamente depois de tudo o que nos mostrou até aí.
O final não mostra absolutamente nada de novo que compense toda a tensão e mistério do enigma até chegar aos últimos dez minutos e deviam ter guardado as coisas mais criativas e espectaculares para o fim em vez de as terem colocado todas essencialmente no início.

city-of-ember_36 city-of-ember_34

Seria de esperar que mesmo com tanta coisa criativa a aparecer no ecran , os criadores tivessem retido algo especial para nos mostrar apenas no momento em que os heróis estão prestes a alcançar o seu objectivo e no entanto não se passa nada quando a aventura chega ao fim.
Não existe absolutamente nada de relevante ou inesquecível, tanto em termos de twist, história, resolução emotiva ou criatividade visual adicionais. Um desperdicio total e totalmente incompreensível.
[“CITY OF EMBER”] tem mais criatividade a todos os níveis durante todo o resto do tempo do que nos minutos finais em que deveria ter tido realmente algo que compensasse o espectador por ter acompanhado aqueles dois jovens até ao fim com interesse mas isso não acontece de todo.

city-of-ember_09 MCDCIOF EC093

Pode parecer um pormenor apenas, mas acreditem-me, em [“CITY OF EMBER”] esse detalhe faz toda a diferença. Este poderia ter sido um filme cinco estrelas não fosse o final sem qualquer interesse.
[“CITY OF EMBER”] é um filme sobre um enigma e quando a resolução desse enigma não tem qualquer impacto no espectador depois de tudo ser tão divertido até esse instante, isso faz com que o filme neste caso perca muitos, mas muitos pontos mesmo.
Não fosse este pormenor e [“CITY OF EMBER”] seria sem qualquer problema um clássico moderno de Fantasia juvenil.

city-of-ember_33 city-of-ember_15

Muito provavelmente não tivesse sido o sucesso de “AS CRÓNICAS DE NARNIA” e este filme não teria sido produzido, pois nota-se que procura alcançar o mesmo tipo de audiência juvenil em primeiro lugar.
Por outro lado [“CITY OF EMBER”] é um daqueles raros filmes para crianças que surpreendentemente não trata os adultos por imbecis.
 Ninguem irá aborrecer-se de morte com isto.

city-of-ember_29 city-of-ember_46

Aliás, esta é uma das suas grandes qualidades enquanto filme.
[“CITY OF EMBER”] poderá ser perfeitamente apreciado pelo público adulto de ficção-científica sem qualquer problema até porque se foca numa das temáticas clássicas dentro do género e sabe muito bem como a desenvolver de forma equilibrada para agradar a todas as faixas etárias que gostem de histórias assim.
Claro que também pisca por demais o olho a “HARRY POTTER” mas isso seria inevitável e não é grave. Até pelo contrário.

—————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO

Portanto se nunca viram [“CITY OF EMBER”] e gostam de ficção-científica sobre cidades perdidas e mundos ocultos, vale mesmo a pena espreitarem isto.
E não se preocupem com o tom juvenil do argumento; a história pode ser muito simples mas é sólida, divertida e tem algum suspense.
Infelizmente não aproveita bem todo o seu potencial e portanto não merecerá mais do que a classificação que lhe dou agora.

Três Planetas Saturno



  

Se calhar até merecia mais um pelo visual, mas não lhe consigo dar porque desperdiça por demais imensas oportunidades. Está cheio de ideias em pano de fundo que nunca desenvolve e é mesmo pena pois centraliza tudo na simplicidade da história central e mais nada.

A favor: o design do filme, os jovens actores protagonistas são excelentes, os veteranos idem ( Martin Landau impecável ), os cenários, o guarda-roupa, a fotografia, a ideia da história simples mas bem contada, tem algum suspense, é divertido, é um filme para todas as idades que até irá agradar aos adultos que gostem de ficção-científica.

Contra: está cheio de pequenos detalhes que nunca são minimamente aproveitados, o cenário é incrível mas parece um cenário o tempo todo e nunca sentimos que é um mundo tão real como deveria ter parecido ser, o final é mesmo muito decepcionante porque é a única parte do filme que não nos surpreende nem sequer em termos visuais, a história é por demais básica e previsível e nunca ganha a magia que se calhar o livro até tem…

—————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

TRAILER

COMPRAR DVD – REGIÃO 2 – EDIÇÃO UK

dvd
https://www.amazon.co.uk/gp/product/B001LNW2IS/ref=as_li_tl?ie=UTF8&camp=1634&creative=6738&creativeASIN=B001LNW2IS&linkCode=as2&tag=cinaosolnas-21

COMPRAR BLURAY – REGIÃO B (2) – EDIÇÃO UK

bluray
https://www.amazon.co.uk/gp/product/B001LNW2J2/ref=as_li_tl?ie=UTF8&camp=1634&creative=6738&creativeASIN=B001LNW2J2&linkCode=as2&tag=cinaosolnas-21

IMDb
http://www.imdb.com/title/tt0970411/

——————————————————————————————————

Filmes “semelhantes” de que poderá gostar:

capinha_starcrash capinha_ladyhawke capinha_mythica capinha_first-men-in-the-moon capinha_johncarter capinha_neverending2 capinha_neverending1 capinha_dinotopia

—————————————————————————————————–